Saiba mais sobre o transplante de barba

Saiba mais sobre o transplante de barba

24/08/2017

A falta, completa ou parcial, de pelos faciais pode ser causada por vários fatores: predisposição genética, queimaduras, operações anteriores, entre outros. Nesses casos, o transplante de barba pode ser recomendado como solução.

O tratamento faz uso de fios de cabelo ou pelos de outras partes do corpo do próprio paciente. A cirurgia é, geralmente, longa, mas oferece baixo risco de complicações.

Para quem o transplante de barba é indicado

O procedimento pode ser feito tanto por quem possua falhas ou cicatrizes na região quanto por aqueles que não tenham nenhuma barba. O resultado é bastante satisfatório e natural. O implante também pode ser realizado na área do bigode.

A principal exigência para submeter-se ao transplante de barba é possuir uma boa área doadora, de onde serão retirados os fios para o implante. Pode ser o couro cabeludo, a costeleta, o tórax, a nuca, a parte inferior do queixo – a escolha do local de extração depende do volume de folículos necessário. O paciente deve ter, pelo menos, 20 anos de idade.

O transplante de barba é contraindicado para aqueles que tenham o cabelo totalmente crespo e histórico de queloide ou má cicatrização. Em casos de homens que já tenham tido problemas pontuais de cicatrização, o cirurgião realiza um teste de implante abaixo do queixo. Também não é possível submeter ao procedimento pessoas com algum processo infeccioso ativo, como acne.

Homens calvos não estão impedidos de realizar o transplante de barba, mas, nesse caso, o paciente precisa avaliar prioridades: se for necessário retirar grande volume do cabelo que ainda resta, não será possível optar por um implante capilar no futuro.

Como é feito o transplante de barba

Antes da cirurgia, o paciente passa por exames para analisar o estado geral de saúde. Nas primeiras consultas, o cirurgião avalia a área doadora, a qualidade da cicatrização e as causas da barba reduzida ou ausente. Depois disso, é preciso fazer uma medição do rosto e um desenho com as proporções da área que receberá o implante.

A definição de qual técnica será utilizada depende das particularidades de cada caso. Existem três opções em prática no Brasil atualmente:

  • transplante de unidades foliculares (FUT, na sigla em inglês): consiste na remoção de uma faixa do couro cabeludo, da lateral ou da parte de trás da cabeça, de onde são retirados os folículos. Essa cirurgia deixa uma cicatriz, mas ela fica coberta pelo cabelo.
  • Extração de unidades foliculares (FUE, na sigla em inglês): os fios são recolhidos um a um do couro cabeludo ou da parte inferior do queixo. A cicatriz é mínima. Uma das vantagens desse método é que ele permite desenhar a barba, tirando pelos de locais indesejados e colocando-os onde houver falhas.
  • Robotic FUE: é uma técnica mais recente. Utiliza um robô para escanear o couro cabeludo e selecionar, com precisão, as melhores mudas de fios, para que sejam removidas e implantadas sem deixar cicatrizes.

O transplante de barba é feito com anestesia local e sedação leve. Não é necessário internação e o paciente é liberado no mesmo dia. Na véspera da cirurgia e nos dois dias seguintes ao procedimento, é recomendado utilizar um sabonete líquido bactericida.

No pós-operatório, o homem deve tomar medicação oral, na primeira noite, para amenizar o desconforto. Geralmente, há inchaço e vermelhidão, que desaparecem na primeira semana. Durante o primeiro mês, é preciso evitar a exposição ao sol e usar protetor solar para prevenir o surgimento de manchas.

A recuperação é rápida e é possível voltar às atividades cotidianas em dois ou três dias. Em cerca de uma semana, a cicatrização é concluída e surgem casquinhas de feridas, que caem sozinhas. É necessário ficar, pelo menos, um mês afastado de atividades físicas exaustivas, mas as aeróbicas são liberadas a partir do sexto dia.

No início, o cuidado ao barbear-se deve ser redobrado. Somente após 15 dias a nova barba pode ser feita, mas com barbeador elétrico. A lâmina deve ser evitada por um mês.

É normal que os pelos implantados caiam nos primeiros 90 dias após o procedimento. Passado esse tempo, eles nascem definitivamente. Depois que o processo de crescimento permanente da barba estiver finalizado, o paciente pode apará-la e mantê-la da forma que preferir.

Geralmente, uma sessão de tratamento é suficiente. Quando uma segunda se torna necessária, ela deve ser feita um ano após a primeira. Os resultados definitivos aparecem entre seis e 12 meses depois da operação. Por isso, é preciso ter paciência.