Expansão de tecido: o que é e para o que serve

Expansão de tecido: o que é e para o que serve

11/09/2017

Uma das técnicas mais impressionantes da cirurgia plástica é a expansão de tecido. Mas, afinal, o que é e para que serve este procedimento?

A expansão de tecido é uma técnica moderna que permite ao organismo humano produzir pele nova para ser utilizada em qualquer parte do corpo. A técnica é muito utilizada para a reconstrução de mamas e também para melhorar partes do couro cabeludo.

Como é a técnica de expansão de tecido?

A forma mais comum e mais utilizada pelos cirurgiões é a utilização de um expansor de silicone abaixo da pele, justamente próximo à área que será reparada. Em seguida, esta região será preenchida com água salina durante um período, fazendo a pele alongar e crescer.

A expansão de tecido pode auxiliar qualquer pessoa que necessite de pele adicional. Homens, mulheres, crianças e idosos podem usufruir da técnica. Além da reconstrução mamária e do couro cabeludo, este procedimento também é utilizado para a recuperação de queimaduras e lesões nos membros superiores e inferiores.  

A expansão pode ser feita nas áreas das pernas, mãos, braços, pescoço e rosto. Regiões como as costas e o tronco são mais complicadas, devido à pele mais grossa. Vale lembrar que a pele precisa estar saudável para a realização do procedimento. Regiões danificadas e cicatrizadas não podem receber este tipo de técnica.

Quem pode realizar o procedimento?

Como em qualquer cirurgia, para realizar uma expansão de tecido, o paciente precisa ser submetido a uma série de exames. Suas condições serão avaliadas pelo médico cirurgião. Idade, peso, altura, sexo, histórico médico e condição da pele são algumas das condições avaliadas para determinar o tratamento. É neste período que o médico testa o paciente para avaliar se ele possui condições para realizar a cirurgia.

Vantagens e desvantagens da expansão de tecidos

Com a técnica de expansão de tecidos, os cirurgiões não mais se limitam aos retalhos e ao enxerto de pele para reconstruir tecidos danificados.

Além disso, a técnica oferece as seguintes vantagens:

  • combinação quase perfeita de cor e de textura;
  • a pele se mantém ligada à área doadora de sangue e de nervo, havendo menor risco de necrose;
  • por não precisar ser movida de uma área para outra, as cicatrizes são frequentemente menos aparentes.

Por outro lado, a expansão da pele tem alguns inconvenientes. o período de tempo necessário para crescer a pele adicional, que pode demorar de três a quatro meses, e a aparência de uma protuberância desagradável.

Como em qualquer cirurgia, o paciente irá precisar de cuidados no pós-operatório. O médico cirurgião fará várias visitas ao paciente e injetará água salina na região operada para manter o processo de reconstituição.

Vale lembrar que o tempo de recuperação varia com a gravidade de cada caso. Segundo os médicos, a maioria dos pacientes consegue voltar à rotina normal em uma semana, mesmo com o expansor ainda trabalhando.

Quer saber mais sobre a técnica de expansão de tecido? Entre em contato com a SBCP-SC e conheça este e diversos outros procedimentos.