Existe relação entre formação de queloide e cirurgia plástica?

Existe relação entre formação de queloide e cirurgia plástica?

03/05/2017

Antes de entender qual é a relação entre queloide e cirurgia plástica, é importante saber como surgem essas cicatrizes em alto relevo. Elas ocorrem quando há uma produção muito grande de células que geram o colágeno, proteína que dá firmeza à pele. Essa produção aumentada pode acontecer durante o processo de cicatrização de alguma cirurgia, lesão ou devido a um corte e, por isso, a pele não fica plana após estar recuperada.

O queloide tem aparência rosada, pode coçar e até mesmo ser doloroso. É possível que se desenvolva em somente uma região, e não nas demais, em uma mesma pessoa. Isso varia de acordo com a parte do corpo afetada. Algumas áreas são mais vascularizadas, o que facilita o processo de cicatrização. Já outras regiões levam maior tempo para cicatrizar. Além da vascularização, a espessura, quantidade de colágeno, a existência de pelos e a pigmentação da pele influenciam no surgimento de um queloide.

Pessoas que têm pele mais branca apresentam, teoricamente, uma melhor cicatrização. Nas de pele com tons mais escuros, a cicatrização costuma ser mais lenta, porque há mais colágeno e fibra elástica, características que estimulam a formação de queloide. Pessoas de pele amarelada também possuem maior probabilidade de desenvolver o problema.

Para prevenir a formação de queloides depois de cirurgias plásticas, é essencial que o paciente converse com o cirurgião e avise sobre essa situação. Assim, o médico pode personalizar as recomendações do pré e pós-operatório para tentar diminuir a probabilidade de ocorrer essa má cicatrização.

Além disso, existem formas de minimizar o queloide que são combinadas com cirurgia. É possível, por exemplo, realizar um procedimento cirúrgico seguido da aplicação de laser no local da cicatriz.

Queloide e cirurgia plástica: tratamentos para minimizar a cicatriz

A escolha do melhor tratamento para o paciente que possui queloide será indicado pelo médico. Questões como a região em que está a cicatriz e o tamanho que ela possui são levadas em consideração pelo cirurgião plástico.

Entre os tratamentos possíveis estão: radioterapia local, betaterapia, a utilização de laser, o uso de silicone, injeção de corticosteroides, cirurgias redutoras, criocirurgia, entre outras opções.

O acompanhamento do médico se torna ainda mais essencial quando há relação de queloide e cirurgia plástica. Além de sugerir o tratamento para cada situação, ele também analisa se existe a possibilidade do queloide voltar na região tratada.