O local - Informações gerais
 
 
Localização Geográfica: Região Nordeste do Brasil
Capital: Recife
Área: 98.938 km2
Clima: Tropical Atlântico (litoral) e Semi-Árido (Agreste e Sertão)
Relevo: Planície litorânea, Planalto Central, Depressões à Oeste e a Leste
Bacias Hidrográficas: São Francisco, Capibaribe, Ipojuca, Una, Pajeú
e Jaboatão.
Vegetação Característica: Mangue (mangue), Floresta Tropical (Zona da Mata), Caatinga (Agreste e Sertão).

 

O local - lutas e conquistas


Pernambuco foi uma das primeiras áreas brasileiras ocupadas pelos portugueses. Em 1535, Duarte Coelho torna-se o donatário da Capitania, fundando a vila de Olinda e espalhando os primeiros engenhos da região.

A histórica cidade de Igarassu abriga uma preciosidade: a mais antiga igreja do Brasil, Cosme e Damião, construída em 1535.

No período colonial, Pernambuco torna-se um grande produtor de açúcar e durante muitos anos é responsável por mais da metade das exportações brasileiras. Essa riqueza atrai novos colonos europeus que constróem no estado um dos mais ricos patrimônios arquitetônicos da América Colonial.

A riqueza de Pernambuco foi alvo do interesse de outras nações. No século XVII, os holandeses se estabelecem no estado. Entre 1630 e 1654, Pernambuco é administrado pela Companhia das Índias Ocidentais. Um dos seus representantes, o príncipe João Maurício de Nassau, traz para Pernambuco uma forma de administrar renovadora e tolerante. Realiza inúmeras obras de urbanização no Recife, amplia a lavoura da cana, assegura a liberdade de culto.

No período holandês, é fundada no Recife a primeira sinagoga das Américas. Amante das artes, Nassau tem na sua equipe inúmeros artistas, como Frans Post e Albert Eckhrout, pioneiros na documentação visual da paisagem brasileira e do cotidiano dos seus habitantes.

Os pernambucanos se orgulham de sua participação altiva na História do Brasil, sempre mantendo altos ideais libertários, como na Guerra dos Mascates, entre 1710 e 1712; a Revolução Pernambucana, em 1817; a Confederação do Equador, em 1824; a Revolta Praieira, em 1848.

Com o advento da República, Pernambuco procura ampliar sua rede industrial, mas continua marcado pela tradicional exploração do açúcar. O Estado moderniza suas relações trabalhistas e lidera movimentos para o desenvolvimento do Nordeste, como no momento da criação da Sudene. A partir de meados da década de 60, Pernambuco começa a reestruturar sua economia, ampliando a rede rodoviária até o sertão e investindo em pólos de investimento no interior do estado. Na última década, consolidam-se os setores de ponta da economia pernambucana, sobretudos aqueles atrelados ao setor de serviços (turismo, informática, medicina) e estabelece-se uma tendência constante de modernização da administração pública.

 

O local - a cidade do recife
 

Capital do Estado de Pernambuco, Brasil, maior centro cultural, de serviços, de saúde e de lazer do Nordeste, além de terceiro pólo gastronômico do País, o Recife é um dos portões de entrada do Brasil. Cortada por vários rios e banhada pelo mar, o Recife é uma cidade de contrastes, onde o antigo, legado português e holandês do tempo do Brasil Colonial, une-se às modernas construções. Na cidade tem tudo, a começar por uma eficiente infra-estrutura receptiva, com hotéis, pousadas, restaurantes, centros de animação noturna, aeroporto internacional, porto com terminal marítimo de passageiros, terminal rodoviário integrado, shoppings centers e uma série de outros equipamentos e serviços.

Na divisa do Recife com Olinda está o Centro de Convenções de Pernambuco, um dos maiores e mais modernos do País.

Dentre os pontos de interesse turístico, o Recife oferece a Praia de Boa Viagem; o Bairro do Recife, com belos sobrados e o melhor em animação noturna, onde se encontra, também, o Centro Cultural Judaico de Pernambuco no prédio restaurado, na Rua do Bom Jesus (antiga Rua dos Judeus de 1636 a 1654), onde se instalou a primeira sinagoga das Américas. Após a expulsão dos holandeses, o escrivão Francisco Mesquita fez o inventário dos prédios edificados pelos holandeses e escreveu: "Umas casas grandes de sobrado da mesma banda do rio, com fronteira para a Rua dos Judeus, que lhe servia de sinagoga, a qual é de pedra e cal, com duas lojas por baixo, que de novo fabricam os ditos judeus".

Na Rua do Imperador, no Bairro de Santo Antônio e a Capela Dourada é uma das mais expressivas representantes da arte barroca nas igrejas brasilieras. Esta Capela Dourada considerada a expressão máxima da arte sacra barroca no Recife, seu forro é coberto de elaboradas pinturas. O altar dourado possui imagens do século XVIII. Dois grandes mártires franciscanos estão representados em painéis nas paredes laterais da igreja. Para quem quer conhecer um pouco da história cristã, o Museu Franciscano de Arte Sacra, que fica ao lado da capela, é um bom programa. Endereço: Rua do Imperador, no Bairro de Santo Antônio.

Visite também a Casa da Cultura, centro de vendas do artesanato da região; o conjunto arquitetônico da Praça da República; a Concatedral de São Pedro dos Clérigos, dominando imponentemente o Pátio de mesmo nome, revitalizado como centro turístico e comercial.

No largo Pátio de São Pedro estão a Catedral São Pedro dos Clérigos e as casas coloniais restauradas. Construída em 1782, sua fachada reproduz o Santuário de Santa Maria Maior de Roma. As armas de São Pedro e as imagens dos doze Apóstolos de Cristo e dos quatro Evangelistas estão entalhadas no teto da igreja, todo em madeira.

No Pátio de São Pedro tem numerosos Restaurantes, Bistrôs e Bares. Cada terça-feira ocorre às 20 horas o evento Terça Negra, onde encontramos cultura africana com música ao vivo e danças de Pernambuco. É muito interessante participar deste evento, porque é pura cultura pernambucana misturada com a cultura africana. Hoje em dia, o Pátio de São Pedro é provavelmente o mais bonito, o mais antigo e o melhor centro restaurado do Recife.

O Mercado de São José, Praça Dom Vital, no Bairro de São José. foi inaugurado em 1875 e representa uma das primeiras construções do Brasil com toda a estrutura feita em ferro. A construção, seguiu o modelo do Mercado de Grenelle, na França, e está localizada na praça conhecida como Praça do Mercado, onde está localizada a Basílica de Nossa Senhora da Penha (1870). O Mercado possui 542 boxes, onde são comercializados artesanato, carne e peixe frescos. Aberto de segunda a sábado, das 5h às 15h30; e aos domingos das 6h ao meio-dia. É também valor que visita a igreja Nossa Senhora do Carmo próximo no lugar Praça do Carmo.

A Praça do Carmo em Recife e com data do final do século XVII e fica diante da Basílica e do Convento de Nossa Senhora do Carmo, no bairro de Santo Antônio. Hoje em dia, é palco da anual festa em homenagem à padroeira Nossa Senhora do Carmo, que acontece no mês de julho. Nesta época, costuma abrigar parque de diversões e barraquinhas de comidas, bebidas e artigos religiosos.

A Basílica e Convento de Nossa Senhora do Carmo foi construída em 1687 e possui traços barrocos. No altar dourado, a imagem da padroeira Nossa Senhora do Carmo, em tamanho natural, se destaca. O altar principal abriga valiosas coroas de ouro e pedras preciosas. Foi neste convento que Frei Caneca ordenou-se sacerdote. Endereço: Largo de Nossa Senhora do Carmo, na avenida Dantas Barreto; demasiado a Rua da Aurora, com seus casarões refletidos no Rio Capibaribe.

A Igreja de Nossa Senhora do Terço, foi construída, no ano de 1726, foi erguida onde antes havia apenas um nicho com a imagem de Nossa Senhora, no qual as pessoas costumavam rezar o terço. Na frente da Igreja, Frei Caneca foi esquartejado e teve suas vestes enterradas. Toda segunda-feira de Carnaval, os negros mortos nos tempos de escravidão são homenageados pelos maracatus: é a Noite dos Tambores Silenciosos, que acontece sempre à meia-noite, apenas ao toque de um surdo. Endereço: Pátio do Terço no Bairro de São José. Não há horário fixo para visitação.

A Igreja Madre de Deus, em estilo colonial, data do século XVIII e carrega no altar um oratório com a imagem do padroeiro da paróquia. Em 1971, a Madre de Deus foi danificada por um incêndio, mas ainda é possível encontrar em seu interior pinturas sacras, mobiliário em jacarandá e a imagem do Senhor do Bom Jesus dos Passos.

O Museu do Homem do Nordeste; o Museu- Oficina Cerâmica Francisco Brennand - que integra natureza e obras do artista, um dos expoentes das artes plásticas brasileiras - e as tapeçarias; o Instituto Ricardo Brennand, no Engenho São João, bairro da Várzea, inaugurado com a exposição dos quadros de Albert Eckout, pintor e naturalista da comitiva de Maurício de Nassau.

A Universidade Católica de Pernambuco dispõe de um museu arqueológico, inaugurado em 1987, para divulgação dos achados da "Furna do Estrago" da cidade Brejo da Madre de Deus, que é continuamente atualizado com os resultados das pesquisas. A "Furna do Estrago" é um dos mais importantes sítios arqueológicos brasileiros.

O calendário de eventos é amplo e diversificado. Começa saudando o "Ano Novo na Praia de Boa Viagem" e no "Recife Antigo". Uns meses antes do "Carnaval de Olinda e do Recife" já tem festas em Olinda e em Recife pré-carnavalescas, que começam no mês de dezembro. O frevo ganha as cores no "Carnaval de Olinda e de Recife". Conseqüentemente os preços das acomodações estão no "Sitio Histórico da Cidade Alta de Olinda" no Carnaval de Olinda atualmente como aqueles no Rio de Janeiro, e Salvador. Junto com o Carnaval de Olinda, explode em alegria e folclore nos diversos focos de animação; integra o clima religioso da Semana Santa, com a encenação do Drama da Paixão de Cristo na cidade de Fazenda Nova, no maior teatro ao ar livre do mundo "Nova Jerusalém", que faz parte do Programa Pernambuco das Paixões (200 quilômetros); dança o forró em vários pólos de animação durante o período junino, como o "A Grande Festa do São João de Caruaru" (170 quilômetros), uma das maiores manifestações culturais do interior do Estado de Pernambuco; vive a alegria jovem no Recifolia (carnaval fora de época) e por aí vai. Porque, no Recife, as festas acontecem quase todos os dias e brilham em quase todas as noites.